Nível de gordura corporal elevada aumenta o risco de câncer de mama

A obesidade é um grande fator de risco para diversos tipos de câncer. Uma nova pesquisa apresentada na conferência sobre câncer e obesidade da Associação Americana de Pesquisa sobre Câncer identificou que o percentual de gordura corporal pode estar relacionado com a doença.

Os pesquisadores descobriram que o risco de câncer de mama era duas vezes maior entre as mulheres que já tinham entrado na menopausa e estavam no peso adequado, mas com um nível de gordura corporal excessivo.

Considerando as faixas etárias pré e pós-menopausa, pesquisadores da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) apontam que o risco de ter câncer de mama aumenta consideravelmente em mulheres com excesso de gordura corporal, especialmente aquelas que apresentam medidas aumentadas da circunferência abdominal.

A obesidade pode influenciar o surgimento do câncer de mama por alterar a quantidade de estrogênio produzido pelo organismo. Após a menopausa, as os ovários deixam de produzir esse hormônio e o tecido adiposo passa a ser a fonte de estrogênio do organismo. O aumento do nível desse hormônio nessa fase da vida da mulher pode causar o câncer de mama.

"Tem aumentado o índice de obesidade em mulheres na pré-menopausa e, consequentemente, os números de casos de câncer de mama nesse grupo também cresceram. A gordura provoca inflamação nos tecidos e a mama tem muita gordura. E esses processos inflamatórios estão cada vez mais relacionados ao câncer de mama", explicou o oncologista e diretor-técnico do Centro Capixaba de Oncologia (Cecon), Roberto Lima.

A obesidade é o segundo principal fator de risco evitável para o câncer, perdendo apenas para o tabagismo. Portanto, com hábitos saudáveis é possível contribuir para evitar a doença.

"Estar em movimento, se exercitar e ter uma alimentação saudável são medidas que ajudam a evitar diversos tipos de doenças, inclusive o câncer, patologias cardiovasculares e outras", afirmou o oncologista Roberto Lima.